O magnésio é um mineral muito importante para o organismo, para a produção de energia e a saúde do sistema nervoso, cuja deficiência pode causar sintomas como irritabilidade, cãimbras e fadiga, que podem ser atenuados por meio de alimentos ou suplementos naturais.

O magnésio desempenha um papel importante em muitas reações fisiológicas do organismo vivo e participa na síntese de centenas de enzimas. É indispensável para a assimilação do fósforo, cálcio e potássio. É essencial para a atividade e equilíbrio do sistema nervoso e tem um efeito relaxante e calmante e, reduz a excitabilidade dos nervos e músculos. Reduz a secreção de adrenalina e é eficaz na dissolução de cãimbras e relaxa as tensões, como por exemplo, dor de cabeça, nervosismo, intestino irritável, taquicardia e até dores de estômago. O magnésio intervém na coagulação do sangue e no metabolismo de lipídios, proteínas e carboidratos e permite a produção de energia. Promove a manutenção e equilíbrio do PH no sangue, regula o ritmo cardíaco e tem uma ação vasodilatadora. É muito importante na formação, consolidação e crescimento ósseo. A deficiência de magnésio pode ocorrer sob condições de stress ou trauma psicofísico e produz distúrbios neuromusculares, como espasmos, dificuldade de concentração, insónia, doenças cardiovasculares e gastrointestinais.

A necessidade, ou exigência diária de magnésio, é determinada pela quantidade de cálcio, proteínas, fósforo e vitamina D, presentes na dieta nutricional quotidiana e poderá aumentar, na proporcionalidade dos níveis de colesterol doentio, presentes no organismo .Também, quando os níveis de saúde e energia estiverem desequilibrados por fatores de envelhecimento, stress, falta de sono ou insónias, consumo de álcool, resistência à insulina e diabetes, alguns medicamentos como antibióticos, o microbioma intestinal desequilibrado, mau funcionamento renal, etc. O magnésio melhora o equilíbrio psicológico e contribui para o relaxamento, estados de nervosismo, de medos, hipocondria e esquizofrenia. É muito útil em casos de depressão, impotência e fadiga mental. O magnésio atenua a excitabilidade e a agressividade e fortalece o espírito de resistência. Contribui para a estimulação da coragem e para uma atitude mais construtiva e positiva.

Sendo o magnésio um mineral importante para o bom funcionamento cardíaco  e dos ossos, onde devemos recorrer para mantermos o equilíbrio? Nas verduras de folha verde intenso como brócolos e couve galega, alface,  folhas de beterraba, espinafres, grãos de soja bio, arroz integral, abacate, iogurte natural bio, bananas, figos secos, cacau (chocolate negro), amêndoas, coentros, feijão preto, castanhas, sementes, nozes, abóbora, frutos e bagas, peixes gordos ricos em ômega 3, etc. O magnésio está presente nas células, tecidos, órgãos e, o conteúdo corporal no organismo adulto é de cerca de 25 gramas, sendo que 60% está presente nos ossos, 39% é intracelular e cerca de 1%, é encontrado em líquidos extra celulares. A quantidade deste importante elemento é regularmente equilibrada no organismo, graças à interação com outros minerais. Se o magnésio começa a faltar nas células, o corpo retira-o das suas reservas, isto é, dos ossos e do fígado, causando os primeiros sintomas de deficiência. O magnésio sendo importante para a saúde porque ajuda as células musculares a relaxar, incluindo o coração, também é essencial para o processo de mineralização e desenvolvimento do sistema esquelético. Estudos recentes têm revelado que a deficiência de magnésio tem sido associada a doenças cardíacas, batimentos cardíacos irregulares e palpitações. Estudos recentes têm revelado que dietas ricas em magnésio podem promover a redução da pressão arterial, especialmente em idosos e, evitar o aparecimento de distúrbios cardíacos.

Uma suplementação de magnésio deverá considerar sempre o equilíbrio com cálcio, vitamina K2 e D. A necessidade diária de magnésio em homens é de 420mg e, 320mg em mulheres. Nas crianças deverá ser determinado de acordo com idade, por profissional de saúde habilitado.

 

⌈ Juvenal Silva, Naturopata
Cédula Profissional 0300193 – ACSS ⌋

(0)

Chega a primavera e os dias bonitos alegram as pessoas, mas a primavera não é sinónimo de felicidade para todos, porque também chegam os pólenes e as alergias, sinónimo de sofrimento para muitas pessoas.

Mas o que são e, como funcionam as alergias?

Linfócitos e células imunes do sangue, patrulham permanentemente o nosso corpo para detetar bactérias, vírus, pólen, substâncias químicas e microrganismos que poderiam prejudica-lo. Quando o sistema imunitário deteta algo que possa representar uma ameaça, memoriza a identidade do invasor, para quando atacar de novo poder eliminá-lo. Normalmente os alergénicos estão contidos no ar, como a poeira, ácaros, pólen, mofo, pêlos de animais.

Qual a diferença entre alergias e asma?

Os distúrbios poderão ter muito em comum, mas a asma é uma doença pulmonar crónica e, por conseguinte mais grave. A asma pode ser desencadeada por algum tipo de alergias, mas também por vários tipos de fatores e os sintomas são o peito oprimido, dificuldade em expirar, cansaço, tosse e chieira. Este tipo de enfermidade é limitante e apresenta certos riscos que pode restringir seriamente a capacidade respiratória. As alergias embora sejam dolorosas, não têm um risco tão elevado. É importante sublinhar que, além de substâncias no ar, existem determinados alimentos, produtos químicos e insetos que podem desencadear alergias no sistema digestivo, pele e olhos. Com a integração de produtos alimentares muito transformados e quantidades exageradas de químicos na sua composição e ambiente, têm aumentado significativamente nos últimos quarenta anos a quantidade deste tipo de pacientes e, a quantidade do número de crianças com estes sintomas disparou.

Como podemos identificar se temos alergia sazonal?

Os sintomas são espirros, corrimento nasal incolor, comichão ou secura nos olhos, dor de cabeça, congestão e inflamação dos seios nasais. Os sintomas são semelhantes ao resfriado, todavia e, neste caso, a secreção nasal é bastante esbranquiçada ou esverdeada.  Além disso, as alergias ocorrem mais vezes e, geralmente, acontecem na mesma época de cada ano.

As alergias porque são tão comuns na Primavera?

O pólen das plantas são grãos microscópicos que lhes permitem reproduzir-se e é isso que causa alergias. Não é tanto o pólen das flores do jardim, mas sim o pólen das árvores, gramíneas e ervas daninhas que estão mais diretamente envolvidas. O vento é o grande transportador e disseminador de alergénicos. Pesquisadores descobriram pólen de arbustos a cerca de 650 Km da costa e a mais de 3.000 metros acima do nível do mar. Perante isto, eliminar os culpados à volta de nossa casa, pouco significa. As ervas daninhas produzem proporcionalmente a maior quantidade de pólen alergénico e as árvores mais implicadas são a oliveira, carvalho, freixo, olmo, bétula, álamo e pinheiro.

As alergias são curáveis?

Normalmente não. Existem contudo antialérgicos, sendo os mais comuns os anti-histamínicos. Na medicina natural o óleo de perila é usado com grande eficácia a par de algumas plantas medicinais anticolinérgicas nasais, cuja função é limpar os seios nasais. A haloterapia tem-se revelado um tratamento de muita eficácia, porque para além de contribuir para uma higiene do sistema respiratório, contribui também para o reforço do sistema imunitário. Diferentes e variados estudos indicam que o risco de sofrer de alergias e asma é maior quando o sistema imunitário está debilitado. A melhor conduta para reforçar o sistema imunitário é o controle do stress, exercício físico e uma alimentação rica em frutas e vegetais.

 

⌈ Juvenal Silva, Naturopata
Cédula Profissional 0300193 – ACSS ⌋  

(0)