As infeções urinárias são muito incómodas e, mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana. Cada vez mais as bactérias se têm revelado mais resistentes aos antibióticos.

Quando a bexiga está infecionada, geralmente por bactérias, as suas paredes internas inflamam. Essa inflamação, também conhecida por cistite nos meios médicos, provoca uma necessidade de urinar frequente e urgente, embora a urina possa ser escassa e a bexiga não pareça ficar totalmente vazia. Frequentemente surge uma dor durante a micção e uma sensação de ardor. As mulheres sofrem de infeções da bexiga com muito mais frequência do que os homens, sobretudo pela diferença da anatomia feminina, em que o tubo que conduz a urina para fora da bexiga e do corpo (uretra), é muito curto e, a sua abertura está muito perto tanto do ânus como da vagina, tornando-se fácil para as bactérias passarem pela abertura da uretra e percorrerem o tubo e infecionarem a bexiga.

Na maioria das vezes as bactérias são as responsáveis pelas infeções, embora existam outros fatores como a gravidez, relações sexuais
e lesões. O stress, desequilíbrios hormonais e má alimentação, diminuem o sistema imunitário, contribuindo para maior suscetibilidade às infeções. O uso repetido de antibióticos destroem as bactérias boas, imprescindíveis para combater as infeções. A menopausa é uma fase em que a mulher poderá começar a experimentar infeções urinárias.

As infeções urinárias em fase inicial, respondem bem aos cuidados caseiros com chá de pezinhos de cereja, cavalinha ou barbas de milho, que tratam os sintomas e, simultaneamente fortalecem o sistema imunitário. Contudo, é necessário consultar um profissional de saúde habilitado, porque existe a possibilidade da infeção se propagar aos rins. Se as infeções forem recorrentes, será importante pesquisar alguma anormalidade estrutural que possa existir na uretra ou na bexiga que não permita o fluxo normal da urina.

Sobre os antibióticos é importante esclarecer que, embora não respondam cabalmente à infeção urinária, em muitos casos, são indispensáveis para evitar uma infeção renal.
A infeção urinária no homem poderá ser um problema mais sério, pelo que carece de uma avaliação ao nível prostático.


Precauções preventivas – Evitar roupa apertada, utilizar roupa íntima confortável de tecido natural, não utilizar sabão, sabonete ou gel de banho na higiene íntima, mas sim produtos apropriados isentos de químicos ou perfumados, como gel íntimo natural.

Alimentos recomendáveis – Considerar refeições saudáveis à base de legumes e vegetais de época, como hortaliças, feijão, grão, cereais integrais, fruta de época e um copo de água mineral a cada uma hora. A vitamina E é um bom nutriente para o sistema endócrino e que está presente no Salmão selvagem, ovo cozido, bacalhau, abóbora, brócolos, espinafres, amêndoas com pele, sementes girassol, nozes, abacate, manga, kiwi, etc. Os óleos graxos essenciais promovem a saúde das glândulas, pelo que é importante incluir diariamente peixe do nosso mar, preferencialmente de superfície, como cavala, carapau, sardinha, robalo,
dourada e outros, assim como óleo de linhaça. O homem deverá comer regularmente sementes de abóbora por serem uma excelente fonte de zinco, importante para os fluidos reprodutores masculinos.

Alimentos a evitar – Eliminar açúcar e produtos refinados, fritos, alimentos processados, carnes ricas em gordura, refrigerantes, álcool.

Outras recomendações – Evitar tabaco, café, bebidas estimulantes e ter como hábito diário o exercício, para melhorar a circulação e a saúde geral.

⌈ Juvenal Silva, Naturopata
Cédula Profissional 0300193 – ACSS ⌋

(0)